Saber como os grandes mercados de risco estão evoluindo na América Latina e na Espanha, bem como o impacto do resseguro ou questões relacionadas à segurança cibernética, o uso de drones e o desenvolvimento de blockchain, por exemplo, foram a desculpa perfeita para que cerca de 500 gerentes de risco de 23 países diferentes e de muitas atividades diferentes se encontrassem em Salamanca (Espanha) durante três dias para compartilhar visões, experiências e preocupações. O fórum não poderia ser outro senão as Jornadas Internacionais da MAPFRE GLOBAL RISKS, que este ano chegou a sua vigésima sexta edição.

TEXTO JOAQUÍN HERNÁNDEZ | FOTOS MAPFRE GLOBAL RISKS

Durante a celebração deste tradicional evento da MAPFRE GLOBAL RISKS, Salamanca se tornou o centro internacional da indústria de seguros, reunindo profissionais de mercados muito diversos. Foram colocados sob a mesa os principais desafios enfrentados pela proteção de grandes riscos (aeronáuticos ou energéticos, para citar apenas dois exemplos) a partir das abordagens de todos os protagonistas, destacando a necessidade permanente de inovar. A inovação é, precisamente, um dos fatores que Antonio Huertas, presidente da MAPFRE, ressaltou durante o encerramento desta reunião.

«Somos uma indústria que se reinventa constantemente para oferecer soluções inovadoras que se ajustem às novas necessidades do mercado. A inovação é inerente ao seguro, principalmente em empresas como a MAPFRE. É algo que temos muito internalizado na empresa. De fato, no novo plano estratégico, cujo lema é “Transformando-nos para crescer e melhorar a rentabilidade”, a inovação nos ajuda a ser uma empresa mais ágil, mais avançada e mais eficiente, mantendo o foco nos dois principais motores de nossa atividade: o cliente e a rentabilidade do negócio», afirma Antonio Huertas.

Estas Jornadas Internacionais MAPFRE GLOBAL RISKS, que gozam de grande prestígio entre o setor, são desenvolvidas em torno de dois painéis simultâneos: o de seguros e o da segurança. No primeiro deles, discutiu-se a evolução de mercados de grandes riscos tão importantes para os negócios da MAPFRE, como o do Brasil, o da América do Norte e do Sul – focados no México, Chile e Colômbia – e o da Espanha. Tudo isso, com uma mesa redonda específica sobre a importância da qualidade do serviço no gerenciamento de sinistros. A confiança dos clientes, a adaptação às peculiaridades de cada mercado e um serviço excelente e de qualidade são essenciais em um mercado em que se estabelecem vínculos de longo prazo.

Precisamente, o CEO da MAPFRE GLOBAL RISKS, Bosco Francoy, responsável pela abertura do evento, enfatizou nestas jornadas que o seguro, independentemente do tamanho do cliente “deve transcender a mera relação transacional”. “Na MAPFRE GLOBAL RISKS, acreditamos que a proximidade de nossos clientes, a flexibilidade na busca de soluções e o comprometimento são essenciais para estabelecer vínculos estáveis e de longo prazo. Somos sócios e sua sorte é a nossa. Nós nos apoiamos mutuamente para aprender sobre as novas ameaças que enfrentamos e buscar soluções conjuntas”, afirmou.

“Na MAPFRE GLOBAL RISKS, acreditamos que a proximidade de nossos clientes, a flexibilidade na busca de soluções e o comprometimento são essenciais para estabelecer vínculos estáveis e de longo prazo”
Bosco Francoy

O papel que o resseguro desempenha na gestão de grandes riscos globais é muito importante e é por isso que não podia faltar um painel de discussão no qual a MAPFRE RE, juntamente com resseguradoras de alto nível, apresentaram como esse mercado está evoluindo.

Nas sessões dedicadas aos seguros, não faltaram exemplos ilustrativos de vários palestrantes, que falaram sobre aspectos tão desconhecidos pela maioria das pessoas mas que influenciam na vida cotidiana como, por exemplo, a maneira pela qual se gerencia a sinistralidade dos cabos elétricos, cujo caminho percorre o fundo do mar e cuja operação pode envolver eletricidade ou não. Algo tão vital… e tão desconhecido para muitos.

Enquanto todas essas mesas redondas aconteciam, em outro auditório da Hospedería Fonseca, se debatia sobre aspectos de segurança. Alguns, tão clássicos como os desastres naturais, com a experiência da Unidade Militar de Emergências – uma apresentação que despertou grande interesse –, na qual se abordou a maneira de dar uma resposta coordenada, eficaz e em tempo quando surge uma situação que exige sua participação.

Antonio Huertas

“A inovação nos ajuda a ser uma empresa mais ágil, mais avançada e mais eficiente, mantendo o foco nos dois principais motores de nossa atividade: o cliente e a rentabilidade do negócio”
Antonio Huertas

Junto com esses temas, outros tópicos atuais também foram abordados, como o desenvolvimento do blockchain como um novo paradigma de segurança. O uso das tecnologias inovadoras aplicadas à segurança, como drones no setor de mineração e a realidade virtual, também esteve presente neste fórum, juntamente com os desafios enfrentados pelos gerentes de riscos no setor energético.

Conhecer em primeira mão os problemas reais enfrentados por uma seguradora (ou várias em muitos casos, uma vez que compartilham riscos) na construção de grandes infraestruturas, como podem ser obras de larga escala, como o metrô de Lima – no Peru – ou a rota do cacau – construída na Colômbia – permitiu às seguradoras não apenas compartilhar experiências, mas também soluções.

Uma Jornada com premiação

Este ano, MAPFRE GLOBAL RISKS criou o Prêmio Internacional à Excelência no Gerenciamento de Riscos para reconhecer o gerenciamento e a cultura de prevenção de riscos. Este prêmio bienal visa se tornar uma referência no setor de seguros de grandes riscos. Nesta primeira edição, a empresa vencedora para o período 2017-2019 foi a RIU Hotels & Resorts (uma companhia que começou como um pequeno negócio de férias em 1953 e hoje é uma empresa com 93 hotéis em 19 países). O júri destacou o trabalho, as políticas e a cultura para a gestão, prevenção e proteção de riscos da RIU Hotels & Resorts.

Francisco Marco, presidente da MAPFRE GLOBAL RISKS, entrega o Prêmio Internacional à Excelência em Gerenciamento de Riscos a Rafael Fau, vice-presidente de gerenciamento de riscos da RIU Hotels and Resorts.

Riesgos Globales

Francisco Marco, presidente da MAPFRE GLOBAL RISKS, e Bosco Francoy foram os encarregados pela entrega desse prêmio, outorgado ao final das Jornadas. Rafael Fau, vice-presidente de gerenciamento de riscos da RIU, enfatizou, ao receber o prêmio, o envolvimento de toda a empresa no gerenciamento de riscos. Precisamente, a prevenção foi um dos aspectos destacados ao longo da Jornada e constatou-se que há uma conscientização crescente sobre o papel do gerente de riscos nas grandes empresas. “Mesmo que envolva um investimento relevante, a prevenção é sempre rentável. Na MAPFRE GLOBAL RISKS, valorizamos extraordinariamente a cultura da prevenção e da mitigação de riscos. É um trabalho altamente valorizado pelos segurados que sabem que uma boa prevenção é essencial para a viabilidade de seus negócios a longo prazo”, afirmou Bosco Francoy.

Os novos riscos reforçam a necessidade de prevenção. Alguns anos atrás, um ataque ao banco de dados ou ao sistema de distribuição de uma empresa era algo inimaginável, algo que poderia ser pensado para acontecer no cinema ou em empresas muito relacionadas à segurança e que lidavam com informações muito sensíveis. Hoje, não só se sabe que esse não é o caso, como a realidade também mostrou que qualquer empresa é suscetível a ataques cibernéticos. Essa situação, que é mais frequente do que gostaríamos, é um fato que as empresas precisam enfrentar e saber como agir para proteger não apenas as informações de seus clientes, mas também todo o negócio.

Competição de defesa contra incêndios

No marco dessas Jornadas, embora algumas semanas antes, aconteceu a tradicional Competição de Defesa Contra Incêndios. No total, 13 equipes formadas por funcionários não profissionais e brigadas profissionais de diferentes empresas participaram de uma sessão na qual foram realizados quatro testes com diferentes cenários de incêndio. Neles, os participantes, cronometrados por um júri, tiveram que intervir para sua extinção no menor tempo possível, em dois deles através do uso de mangueira e outros dois com extintores.

O objetivo da competição é mostrar a capacidade das equipes treinadas para a prevenção de incêndios à várias entidades clientes da MAPFRE Global Risks, e difundir a cultura da prevenção nas entidades. Além disso, esses testes também são uma reunião para compartilhar diferentes pontos
de vista e estratégias no campo de combate a incêndios.

Competición de defensa contra incendios

Share This