Rate this post

TEXTO: MARIBEL SOLANAS, CHIEF DATA OFFICER DE MAPFRE | IMAGENS: ISTOCK, MAPFRE

Já decorreram alguns anos, mas ainda me lembro quando os dados não estavam “tão na moda” e quando se acreditava que estudar matemática era sinônimo de ser um pouco “quadrado”. Pois bem, o componente vocacional tinha que ser muito alto, porque naquela época nem as oportunidades profissionais eram particularmente atraentes nem o tipo de treinamento conseguia nos aproximar o suficiente do mundo real. Que obsessão era ser ou de letras ou de números…! Mas por que escolher?

Felizmente, o tempo cura quase tudo e esses estereótipos estão agora muito distantes. Atualmente, os dados são onipresentes e todos nós fazemos uso deles, de uma forma ou de outra, em nossa vida diária.

A intuição não é mais suficiente; temos a grande oportunidade de contrastar e enriquecer nossa tomada de decisões através de uma análise eficiente das informações.

Sem dúvida, estamos vivendo em uma sociedade cingida de previsões baseadas no aprendizado. Os algoritmos de machine learning, deep learning, inteligência artificial já fazem parte de nosso dia a dia. Nós não podemos vê-los, mas observamos seus resultados: recomendações de compras, hábitos de saúde, prevenção de riscos, etc. Eles até escolhem um parceiro melhor do que nós! Acredito que isto não é uma moda: chegaram para ficar e continuarão dando muito o que falar ao longo do tempo.

Mas o que mudou? Qual é a diferença entre o que costumávamos fazer e o que fazemos agora?

Antes, os dados estavam muito dispersos em diferentes silos e o que fazíamos era procurá-los, limpá-los e transformá-los em informações integradas. Em seguida, aplicamos estatísticas e muito pragmatismo empresarial, para transformá-los em conhecimento, o que nos permitiu agir e melhorar nossos resultados. Em tudo isso, o mais importante era cuidar dos dados, porque se não fossem bons e confiáveis, tudo o resto era inútil. Na realidade, isto último é igual e ainda mais importante agora!

A diferença é que as capacidades de gestão e análise de dados na atualidade são muito maiores e evoluem com maior rapidez. Os dados crescem de maneira exponencial em volume e diversidade, as tecnologias armazenam e processam de forma inimaginável até recentemente, os algoritmos são executados em tempo real e os dados de múltiplas fontes podem ser conectados.

Tudo ao nosso redor são dados! Seja um vídeo, uma imagem ou o “vestígio” de uma consulta na web. Chega de pensar que os dados apenas podem ser encontrados nos bancos de dados das empresas.

Graças a tudo isso, somos cada vez mais capazes de atingir um nível muito alto e preciso de personalização, o que de fato é chamado de “hiperpersonalização”. A magia de acertar depende de uma excelente gestão na qualidade e conexão dos dados, que é sua valiosa e abundante matéria-prima.

Então, a tecnologia irá substituir gradualmente a função de nossos neurônios?

Acredito no contrário. O potencial e os benefícios são indiscutíveis, mas precisamos estar atentos aos limites legais e éticos, que são assuntos a serem estabelecidos pelos indivíduos. Como clientes, é bom sentir que estamos recebendo mensagens personalizadas, mas ninguém gosta de sentir que nossa intimidade está sendo violada, que nossa privacidade está sendo invadida. A tecnologia não é o fator que limita, na verdade ela pode ser muito útil para estabelecer controles, alertas, detecção de fontes respeitáveis, regras comerciais, eliminação de preconceitos, etc.

Cabe a nós, como pessoas que trabalham nas empresas, encontrar o equilíbrio. Não se trata apenas de cumprir com a lei, mas de estabelecer um protocolo ético sobre o tipo de dados que utilizamos e a sensibilidade de usar o conhecimento que extraímos.

Acredito que, às vezes, é preferível abandonar certo nível de precisão dos algoritmos, rejeitar fontes de dados duvidosas ou onde não há certeza de que o cliente tenha dado permissão de uso. A confiança está em jogo, algo difícil de se conseguir e muito fácil de se perder. Além disso, vamos levar em conta o efeito viral. Estamos todos conectados! Portanto, não apenas estamos colocando em risco a confiança do cliente, mas também a de seu ambiente social e familiar e um possível impacto nas redes sociais.

“Na MAPFRE, estamos tomando decisões estratégicas sobre como gerenciamos e exploramos os dados em nossos processos comerciais, cientes de que ambos os fatores são cada vez mais críticos para maximizar os lucros da empresa”.
E o que fazemos na MAPFRE diante desta revolução dos dados?
Eu diria, o que não estamos fazendo! Na MAPFRE estamos tomando decisões estratégicas sobre como gerenciamos e exploramos os dados em nossos processos comerciais, cientes de que ambos os fatores são cada vez mais críticos para maximizar os lucros da empresa.

Há novas oportunidades potenciais surgindo mais rapidamente no mercado. Mas, ao mesmo tempo, a complexidade de avaliar e aplicar as vantagens de todo este ecossistema está aumentando. Questões como a criticidade dos dados, a qualidade das informações, as arquiteturas de base, os aspectos de segurança, a privacidade, os modelos de trabalho, a conectividade tecnológica, o conhecimento especializado são essenciais para construir o desenvolvimento futuro das operações da MAPFRE.

Sabemos que é necessário realizar progressos decisivos na implementação das diferentes medidas e projetos, e avaliar o que fazer com tudo isso requer a incorporação de um contexto e conhecimento diferente de anos anteriores, a fim de evitar os preconceitos iniciais. Os benefícios resultantes das sinergias surgidas entre várias áreas e/ou processos sob um modelo de controle estabelecido devem ser considerados, evitando perspectivas verticais que não consideram o ciclo de vida dos dados em sua totalidade.

A coordenação no desenvolvimento de capacidades, a integração dos dados de diferentes processos e a priorização baseada em métricas de impacto empresarial são os grandes desafios deste processo de transformação interna em torno dos dados. Todo esse esforço nos permitirá gradativamente alcançar o objetivo final, que é nada mais do que aproveitar ao máximo o valor dos dados em nossas estratégias comerciais.

Sinergias, integração, conectividade, conhecimento… Tudo isto tem muito a ver com todos nós, com os funcionários da MAPFRE

Na MAPFRE, estamos fazendo um grande esforço a respeito. Não é fácil, pois requer uma sólida estratégia de gestão da mudança. Mas não começamos do zero. É essencial aplicar as lições aprendidas de todas as experiências passadas e o que elas trazem para o momento presente, porque os dados sempre estiveram presentes. As seguradoras, e especialmente a MAPFRE, o levam no DNA.

Do meu ponto de vista, este é um dos principais desafios neste processo de transformação em direção a um modelo considerado de Data Driven. Devemos encontrar uma maneira de combinar forças em equipes que trabalham em direção aos mesmos objetivos. A complementaridade das experiências, habilidades, conhecimentos em torno de novas formas de trabalho, muito mais colaborativas e flexíveis, são fundamentais.

Ninguém deve se sentir excluído, muito pelo contrário! O talento interno está sendo alimentado com a promoção de treinamento específico e enriquecido com recrutamento externo, quando necessário. Não basta enriquecer as equipes de análise, mas também é preciso formar equipes multidisciplinares, onde a exploração dos dados tome como base um conhecimento muito rigoroso do negócio, 100% alinhado com os objetivos estratégicos da empresa e, obviamente, com as novas capacidades tecnológicas, bem como com o conhecimento das pessoas. O talento se multiplica na MAPFRE quando pessoas com mais experiência e conhecimento interno estão conectadas com aquelas que trazem mais inovação e novos conhecimentos.

Eu gosto de pensar que os dados nos unem e nos tornam ainda mais fortes. Eles são a parte mais transversal da empresa e se as áreas, equipes, processos e canais gerarem novos ecossistemas, novas maneiras de nos relacionarmos uns com os outros, conseguiremos dissolver os limites e multiplicar os benefícios.

Maribel Solanas, Group Chief Data Officer de MAPFRE

“O dado nos une e nos torna mais fortes”.
Maribel Solanas, Group Chief Data Officer da MAPFRE

Como estamos nos organizando na MAPFRE?
No final de 2019, a MAPFRE decidiu criar a função “Governança de Dados”, com o objetivo de ajudar a gerenciar os dados como um ativo estratégico para a empresa. Durante os dois primeiros anos e apesar da pandemia, foram desenvolvidas bases sólidas, incluindo a Política Corporativa e o início dos departamentos de Governança de Dados na corporação, países e unidades de negócio.

Dentro da estrutura do ciclo estratégico 2022-2024, e em geral, a importância do cuidado e do uso dos dados em nossos resultados comerciais é clara. Estamos tentando estabelecer um projeto global de dados que seja condicionado por e ao serviço dos melhores profissionais empresariais, com uma clara “ligação” entre a estratégia empresarial e o que fazer com os dados.

Para facilitar a transversalidade e a execução coordenada de iniciativas relacionadas à gestão dos dados, aprovamos recentemente a evolução do Departamento de Governança de Dados para a Diretoria Corporativa de Dados (DCD) para reforçá-la com competências adicionais sem perder sua função estrutural.

A Diretoria Corporativa de Dados deve atuar como um Centro de Competência transversal, responsável pela promoção e gerenciamento dos principais aspectos ligados à estratégia de dados da MAPFRE.

Este centro é definido como uma equipe multidisciplinar com conhecimento especializado nos principais aspectos dos dados (governança, tecnologia, segurança e análise), a fim de facilitar uma abordagem robusta e abrangente para a tomada de decisões relativas aos dados e sua utilização para objetivos comerciais.

Ela promoverá o treinamento, a gestão da mudança e a previsão como elementos-chave para o desenvolvimento contínuo das disciplinas de dados na empresa.

Também procura detectar, unificar e formular as melhores práticas de dados com base no conhecimento e experiência da MAPFRE em países, unidades e áreas corporativas.

Em resumo, estamos tentando alcançar um grau mais elevado de execução e aplicação prática na gestão operacional dos dados, através de uma coordenação mais eficaz das capacidades que nos ajudará a promover uma evolução baseada em objetivos comuns compartilhados por todos.

Um apaixonante desafio de que todos nós devemos nos sentir parte!
Gostaria de agradecer a todos os colegas que incluem ou incluirão mudanças na maneira de lidar com os dados em seu campo de competência todos os dias. Aqueles que acreditam que cuidam e conferem a qualidade, estão otimizando o relacionamento com os clientes. É claro, aqueles que consideram novas formas de compartilhar informações e facilitar a transmissão de conhecimento com generosidade.

Da mesma forma, aqueles que estamos dedicados aos dados não temos agendas paralelas, somos uma função de serviço e suporte comercial. Utilizamos muitos termos técnicos, terminologia complexa específica para a função, mas nossa linguagem não é outra senão o impacto sobre a conta de resultados, benefícios através da conformidade, economia de custos, novos negócios, etc.

Vocês estão convidados! Precisamos de sua ajuda, pois cada um de vocês é muito importante para que possamos obter os dados corretos e agir de acordo com o que mais nos preocupa e nos interessa a nível da empresa. Porque quanto mais de nós houver, menos falaremos sobre dados em forma abstrata e mais sobre os melhores resultados que estamos obtendo, graças ao cuidado que colocamos em cada um deles.

Princípios da Governança de Dados

Os princípios gerais da Governança de Dados na MAPFRE solidificam as bases e regem a relação de todos os membros da empresa com os dados:

  • A Governança de Dados é responsabilidade de todos.
  • A Governança de dados é uma disciplina de negócio, não um projeto.
  • A gestão da mudança é chave na Governança de Dados.
  • A qualidade e segurança dos dados devem estar garantidas durante todo o ciclo de vida do dado.
  • A Governança de Dados é responsabilidade de todos.
  • Os dados devem ser reconhecidos como um ativo estratégico da empresa e, como tal, eles devem ser protegidos e gerenciados.
  • Os dados devem cumprir tanto as regras internas quanto externas.
  • Tudo deve ser mensurável quantitativamente.

Principais objetivos da Diretoria Corporativa de Dados

Otimizar a alocação de recursos e priorizar os projetos de acordo com seu impacto na estratégia comercial.

Promover a colaboração e coesão entre as equipes, proporcionando governança e comunicação entre elas.

Construir uma comunidade colaborativa, onde todos possam se beneficiar de quaisquer informações que precisem e contribuam com novas ideias.

Assegurar que qualquer nova iniciativa de dados leve em consideração os requisitos de segurança e privacidade desde o início.

Consolidar as melhores práticas e tecnologias de referência, certificando e divulgando processos eficientes.

Identificar novas oportunidades aproveitando os dados do Grupo para promover novas soluções ou avanços comerciais, incrementando nossa vantagem competitiva.

Medir e acompanhar o lucro obtido através das atividades relacionadas aos dados em termos qualitativos e quantitativos, bem como estabelecer métricas quantitativas sobre a qualidade dos dados, uso, custos e benefícios para cada operação do Grupo.

Definir e estabelecer processos, metodologias, diretrizes e ferramentas padronizadas para monitoramento e análise de desempenho do modelo e da precisão dos dados.

Concentrar especialistas em dados para contar com referências, reter talentos, otimizar o treinamento e expandir a cultura de dados no Grupo.

“Em resumo, estamos tentando alcançar um grau mais elevado de execução e aplicação prática na gestão operacional dos dados, através de uma coordenação mais eficaz das capacidades que nos ajudará a promover uma evolução baseada em objetivos comuns compartilhados por todos”

Share This