TEXTO CRISTINA BISBAL | FOTOGRAFIA ALBERTO CARRASCO

Há alguns dias, a sua fundação, Fundación MAPFRE, reconheceu Emilio Aragón com o Prêmio Por Toda uma Vida Profissional José Manuel Martínez. O prêmio reconhece “seu lado humano através do apoio que oferece às organizações sociais que lutam contra a fome e a pobreza e que favorecem a educação inclusiva”. Ao longo de sua carreira, “foi capaz de transmitir valores como a generosidade, a humildade e a capacidade de esforço”.

Muitos desses valores lhe foram transmitidos por sua família, com quem ele manteve uma vida nômade. “Até os 14 anos, minhas irmãs, meus pais e eu morávamos onde meu pai tinha um emprego. E depois seguíamos para outro lugar com as malas nas costas.” De sua terra natal, Cuba, para os Estados Unidos, Colômbia, Argentina e Porto Rico. Seu último álbum, La vuelta al mundo, o qual ele assina como Bebo San Juan, é dedicado precisamente a dois desses países. O nome foi dado por seus netos que o chamam com esse diminutivo. O sobrenome, a capital de Porto Rico.

É também uma homenagem à sua mãe, não?
Na verdade, foi um presente que eu devia à minha mãe e à minha esposa. Este disco não ia ser lançado. É por isso que existem alguns traços familiares. Falo da minha família, do meu pai, da minha esposa, da música. Embora eu faça outras coisas na minha vida, a música está sempre lá esperando por mim. O que acontece é que meus filhos, minhas irmãs, minha esposa e meus colegas do escritório me deram um oito e acabei divulgando o disco para o público.

“Acredito que nesta sociedade todos devemos trabalhar juntos”

Vamos lá, você é músico antes de tudo…
É o que eu estudei, é a minha formação. Então a vida foi me levando a outros lugares, fui abrindo outras portas. Embora eu queira pensar que sou um contador de histórias. Há muitas maneiras de fazer isso: com uma música, uma série de televisão, um filme, um livro…

Sim, porque você é roteirista, diretor, cantor, maestro, escritor, ator…
Na verdade eu faço tudo isso, mas eu faço tudo mal feito. Embora mal feito, eu fiz algo de rádio, teatro, comédia, musical, cinema. Eu fiz isso para poder experimentar coisas diferentes. Agora, por exemplo, eu adoraria poder desenhar e pintar. Daqui a alguns anos, se tiver a oportunidade e o tempo permitir, gostaria de aprender.

Você teria sido feliz no Renascimento…
Na verdade, muitos dos meus colegas músicos ou artistas também dominam outras disciplinas. No meu círculo há muitas pessoas tão inquietas quanto eu, querendo fazer outras coisas. O que é certo é que os artistas do Renascimento desfrutariam muito nestes tempos com tanta tecnologia, tantas possibilidades de criar uma música ou uma obra de arte. Além disso, vivemos tempos muito interessantes com a tecnologia: estou convencido de que o cinema evoluirá para algo diferente do que conhecemos. Até mesmo a maneira de vivenciar o teatro mudará. Acho que os novos tempos estão chegando e espero que tenhamos a sorte de conhecê-lo e aproveitá-lo.

“Embora eu faça outras coisas na minha vida, a música está sempre lá esperando por mim”

Apesar de ser um homem tão ocupado, você colabora com a Action Against Hunger há mais de 20 anos. Por que a luta contra a fome?
A nutrição é a base para poder cumprir com qualquer outro direito humano, como a educação, a igualdade de gênero, a saúde… Uma criança desnutrida nunca aprenderá na escola como uma criança saudável e nunca produzirá quando adulta como uma mulher ou homem saudável, perpetuando assim o ciclo entre a pobreza e a fome.

Além disso, é orador da Dales, focada em crianças com problemas de surdez…
Acredito que nesta sociedade todos devemos trabalhar juntos. Nestes tempos, com tantas causas pendentes, se eu puder contribuir com meu grão de areia, somente meu grão de areia, se minha pequena ajuda for de alguma utilidade, seja bem-vinda. Eu não pretendo ser mais do que uma peça do quebra-cabeça.

Share This