Nestes últimos anos, o desemprego passou a ser a preocupação número um dos cidadãos. Porém, há alguns grupos para os quais a dificuldade de encontrar trabalho não é nenhuma novidade. A Fundación MAPFRE, com seu Programa Social de Emprego, foca neles.

TEXTO JUAN FRYBORT | IMAGENS THINKSTOCK

 

A inexperiência, a falta de contatos e o excesso de oferta de trabalhadores dificulta muito a missão de conseguir um emprego. Não restam dúvidas de que a Internet se tornou uma aliada de quem está procurando emprego, graças à sua quantidade de informações e rapidez, e o uso de plataformas como o LinkedIn nos permite estabelecer um contato mais rápido com empresas que podem estar interessadas em contratar. Porém, apesar disso tudo, a tarefa não é fácil. Por isso, o Programa Social de Emprego da Fundación MAPFRE propõe soluções para cobrir a grande lacuna que separa uma pessoa desempregada das empresas que precisam contratar. Lacuna essa que, no caso de pessoas com deficiência, por exemplo, pode virar um abismo.

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), existe no mundo aproximadamente um milhão de pessoas com deficiência. 80% delas encontram-se em idade de trabalho, mas a maioria não consegue achar um emprego decente, principalmente se forem mulheres. Para poder incorporar esse grupo ao mercado de trabalho, é necessário criar políticas específicas que incentivem sua contratação, sendo muito bemvindos programas e ferramentas como os que a Fundación MAPFRE oferece.

JUNTOS SOMOS CAPAZES

No ano de 2010, a fim de oferecer a pessoas portadoras de deficiência intelectual e doenças mentais a possibilidade de realizar estágios em empresas, para que, posteriormente, pudessem candidatar-se a um cargo de trabalho, foi implementado o programa de integração profissional Juntos Somos Capazes.

Presente em praticamente toda a Espanha, o programa virou referência nacional na área de inserção de pessoas portadoras de deficiência intelectual e/ou doenças mentais.

 

 

Nestes primeiros anos desde sua criação, o programa já contribuiu com a inserção profissional de mais de 2.800 pessoas portadoras de deficiência intelectual e/ou doenças mentais, a formação de 2.506 pessoas, a captação de mais de 2.400 ofertas de emprego e a proposta de mais de 5.000 candidatos, tudo isso graças à colaboração de mais de 560 entidades sociais, mais de 180 patrocinadores empresariais e mais de 4.300 empresas que aderiram ao programa. Além disso, foram assinadas 119 parcerias com prefeituras e mais de 14 governos regionais também colaboram.

Para obter resultados tão espetaculares, a Fundación MAPFRE estabeleceu acordos e contatos com várias associações, empresas, sindicatos, organizações não governamentais, centros de ensino e com a administração pública. “Fizemos um trabalho em rede com as entidades sociais voltadas a pessoas portadoras de deficiência, os patrocinadores empresariais de cada região e as empresas que apostam na inclusão de talentos com deficiência em seus quadros de funcionários. Também contamos com o comprometimento e o apoio das Administrações locais como peça-chave nesse trabalho colaborativo”, afirmou Daniel Restrepo, diretor da Área de Ação Social da Fundación MAPFRE. O objetivo é envolver todos esses agentes e convertê-los em um motor de transformação da sociedade em termos de igualdade e coesão social.

Os dados evidenciam a necessidade de continuar trabalhando para melhorar essa situação. Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE) da Espanha, 70% das pessoas com deficiência estão inativas. E das 30% que estão ativas (ou seja, procurando emprego), 83% continuam desempregadas. O Junto Somos Capazes age como uma plataforma dinamizadora e mediadora entre o tecido empresarial e as entidades associativas que representam e lutam pelos direitos dessas pessoas.

“O Juntos Somos Capazes é importante não só porque trabalha com um grupo especialmente vulnerável, mas porque o trabalho é a melhor ferramenta de integração. Trata-se de oferecer a essas pessoas a oportunidade de demonstrarem suas capacidades e aptidões como uma peça adicional do capital humano da empresa à qual forem incorporadas”, explica Restrepo.

A Fundación MAPFRE está ciente de que a diversidade agrega valor à sociedade e também às empresas. Com base nessa premissa, a integração dos grupos mais vulneráveis envolve, em grande medida, a eliminação de uma série de barreiras que muitas vezes estão “mais na mente das pessoas que na realidade”, adiciona o responsável pela Área de Ação Social. Todos somos diferentes, temos capacidades diferentes e agregamos valores que se complementam.

 

SOY CAPPAZ

Estamos acostumados a ouvir falar de como as novas tecnologias são mal-utilizadas, mas não se fala o bastante do poder que elas têm de conectarnos, bem como de integrar à sociedade aqueles que sofrem grandes dificuldades, como é o caso das pessoas portadoras de deficiência intelectual e doenças mentais.

O Soy Cappaz, o aplicativo móvel criado pela Fundación MAPFRE e pela Fundación Gmp para ajudá-los em seu desenvolvimento individual, é um belo exemplo. Trata-se de um software que empodera e capacita o usuário em seu dia a dia familiar, social e profissional. Daniel, o protagonista do vídeo promocional do Soy Cappaz, compartilha conosco: “Antes, [meus pais] não me deixavam em paz, estavam sempre me seguindo. Agora, com o meu celular, posso ir sozinho ao trabalho, sair com os amigos ou ir aonde quiser, e eles ficam tranquilos.”

Esta é a explicação de José Francisco Fernández, diretor da Fundación Gmp: “Alguns pais diziam-nos que apoiavam totalmente a promoção de uma vida independente para seus filhos, diziam que deixavam os filhos irem sozinhos ao centro especial de emprego ou ao trabalho, mas que não conseguiam resistir à tentação de, logo depois que saíam de casa, pegar o carro e segui-los para ver se realmente chegariam ao destino esperado.”

O Soy Cappaz levou 16 meses de trabalho e, desde que foi lançado, em outubro de 2015, já teve 3.000 downloads para dispositivos Android, o sistema operacional para o qual foi projetado. Esse número conta somente os download feitos na Espanha, mas, desde 2016, os downloads no resto do mundo começaram a aumentar, já que o aplicativo também pode ser instalado em smartphones de 20 outros países, em inglês ou espanhol, dependendo do idioma do dispositivo, independentemente do país em que o usuário estiver.

Como explica Maria Soledad Cisternas Reyes, enviada especial para deficiência e acessibilidade da ONU, “a tecnologia não é um luxo para as pessoas com deficiência, é uma necessidade”.

ALÉM DISSO…

O compromisso do Programa Social de Emprego é concretizado por meio de cursos de formação e ajuda às famílias para que saibam apoiar e incentivar as habilidades das pessoas portadoras de deficiência. Porém, o conjunto de pessoas portadoras de deficiência não é o único que está na mira dos esforços do Programa Social de Emprego da Fundación MAPFRE.

Por meio dos Auxílios ao Emprego concedidos anualmente, nos últimos cinco anos, mais de 2.376 pessoas puderam suprir sua necessidade de contratação, o que significa que a mesma quantidade de pessoas maiores de 18 anos que estavam desempregadas conseguiu sair dessa situação. Cada auxílio, que tem uma duração de nove meses, totaliza uma quantidade máxima de 500 euros por mês para contratos de período integral e de 300 euros por mês para contratos de meio período.

O programa também contempla os estudantes. O Projeto “Descubra a FP”, promovido pela Fundación Atresmedia e pela Fundación MAPFRE, tem como objetivo apresentar essa formação específica, ajudar a incentivá-la, contribuir para melhorar sua qualidade e impulsionar a empregabilidade dos jovens. No curso de 2016- 17, cerca de 800.000 alunos optaram pela formação profissional, mas, mesmo assim, vários jovens ainda não conhecem todas as opções oferecidas por essa alternativa.

 

 

Share This