Rate this post

TEXTO REDAÇÃO MUNDO DA MAPFRE | FOTOGRAFIAS MAPFRE, ISTOCK

O Centro de Pesquisas Ageingnomics apresenta o Mapa do Talento Sênior 2021, um estudo que oferece uma instantânea profissional da população espanhola entre 55 e 75 anos, e propõe mudanças para poder aproveitar os benefícios da “economia prateada”.

Na Espanha, entre 2008 e 2020, devido a uma combinação de declínio da fertilidade e a acentuação do envelhecimento, 2,8 milhões de jovens (16-34 anos) foram “perdidos” e 2,9 milhões de pessoas ativas com mais de 55 anos foram “ganhas”. Por um lado, há 4,1 milhões de pessoas nesta faixa etária empregadas, 25% das quais são autônomas. Por outro lado, “olhando para os dados, podemos asseverar que existe um certo envelhecimento”: há meio milhão de idosos que querem entrar no mercado de trabalho, mas não podem. Metade desses desempregados está presa a essa situação há mais de dois anos. Além disso, o número de idosos desempregados triplicou desde o início da crise, em 2008.

população sênior, entre 55 e 75 anos

Maiores de 55 anos na Espanha 15,5 milhões

Que representam do total 32%

E de desempregados há 508.000

Um de cada quatro é autônomo

Ortega defende a necessidade de buscar formas de contratação temporárias ou em tempo parcial para o sênior ativo: “É uma oportunidade, acho que é melhor trabalhar nessas condições do que não trabalhar em nenhuma…. O trabalho é uma forma de socializar, de ter uma renda, uma velhice melhor, uma saúde mental melhor”.

Quando a recuperação dos estragos da pandemia do coronavírus ainda é tímida, não podemos permitir perder oportunidades de desenvolvimento como é o aproveitamento da chamada economia prateada ou silver economy, através, precisamente, dos que melhor conhecem esse mercado. A Espanha tem as melhores circunstâncias para ser o país de referência na silver economy, como confirma o relatório, “por sua liderança em longevidade, sistema sanitário e de dependência e abertura ao exterior.” Esta oportunidade será perdida se os idosos não estiverem presentes em um mercado de trabalho que deve ser naturalmente diversificado.

Parece-me que isto é uma perda muito grande do conhecimento adquirido ao longo dos anos. Pode haver muito entusiasmo, e de fato há, porque a idade nem sempre é motivo para ter mais força ou desejo, depende de muitas circunstâncias… Conheço jovens de 80 [anos] e não tão jovens de 30. Desculpe,
mas é realidade.

Jovens com mais de 55 anos

Paloma Frial

Presidente de Frialtec (66 anos)

A relação de Paloma Frial com o setor alimentício começou aos 13 anos de idade e aos 66 ela é presidente da FrialTec, um centro avançado de pesquisa e desenvolvimento de alimentos com produtos como Vidalim, um suplemento Omega3 que fornece a quantidade mínima diária recomendada pela Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) para uma dieta saudável.

Frial nem sequer pensou em quando se retirar para o limbo plácido da aposentadoria: “Não entendo isso de marcar uma data, porque a própria vida o fará… Isso acontecerá quando você perder seu entusiasmo ou quando achar que não tem mais forças para continuar o que está fazendo”. Frial pertence a essa faixa etária onde trabalhar, de acordo com o Mapa de Talento Sênior 2021, é muito excepcional. A maioria dos ativos sênior está concentrada na faixa etária de 55-59 anos (60%). A faixa etária seguinte representa 35%, e a partir dos 65 anos os números são irrelevantes… tudo isso confirma a cultura predominante no país de uma saída antecipada do trabalho.

Benigno Lacort

Conselheiro delegado da Atienza (58 anos)

“Eu aconselharia um trabalhador com mais de 50 anos que acabou de ser demitido a evitar estabelecer imediatamente uma relação de causa e efeito entre sua situação e suas habilidades”, recomenda Benigno Lacort, conselheiro delegado da Atenzia, uma empresa especializada no âmbito social e da saúde. Lacort tem 58 anos e se define como um babyboomer (pertencente à geração que nasceu entre 1957 e 1977) com muita vida e esperanças pela frente. Ele é particularmente sensível ao envelhecimento no mercado de trabalho. E como não há melhor pregação do que dar o exemplo, sua empresa criou o programa Atenzia 45/45, que pode ser resumido com um mínimo de 45% do quadro de funcionários acima de 45 anos de idade. “Nosso objetivo é reter talentos tentando assegurar longas carreiras profissionais em uma empresa como a nossa, cujo grande ativo é a experiência de nossos profissionais no mercado de trabalho”.

Para combater esta sensação de ser velho demais para o trabalho que está realizando ou para o qual aspira, Benigno Lacort se volta para a demografia. “Segundo o Banco da Espanha, em 2050 haverá duas pessoas com mais de 65 anos para cada três trabalhadores. Em outras palavras, pare de se sentir “velho” e comece a se sentir “normal”, ele encoraja.

Que caminhos e soluções podem construir um mercado profissional mais justo para todos?

Elena Sanz, diretora geral de Pessoas e Organização da MAPFRE e colaboradora neste Mapa, acredita que é necessária “uma mudança de mentalidade nos líderes para que eles não eliminem talentos depois dos 55 anos de idade, e uma mudança de mentalidade nas próprias pessoas, para que saibam que têm que continuar evoluindo, aprendendo e fazendo parte de novos projetos e desta transformação das habilidades que tanto a empresa quanto os trabalhadores autônomos precisarão”.

Share This