Rate this post
TEXTO NURIA DEL OLMO | FOTOGRAFIAS MAPFRE, ISTOCK
Falamos sobre um sistema de produção e consumo que promove a reutilização, o reparo e a reciclagem, que se traduz em economia de energia, aproveitamento dos recursos naturais e diminuição do desmatamento. A MAPFRE e a Câmara de Comércio da Espanha analisaram recentemente o desempenho de pequenas e médias empresas de todos os setores, a fim de melhorar sua competitividade e aumentar seu compromisso com a sustentabilidade.
Os resíduos são, sem dúvida, uma ameaça. Eles contaminam os solos e a água, produzem incêndios e geram gases de efeito estufa, como o CO2 e o gás metano, causando alterações climáticas. Espera-se que, até 2030, um total de 2,59 trilhões de toneladas de resíduos anuais serão gerados no mundo, um número alarmante, que destaca a importância de administrar bem os resíduos orgânicos, mas também outros como papel, plástico, vidro e óleo, por exemplo.

A economia circular é um sistema de produção e consumo que, ao contrário do modelo linear, baseado no uso e descarte, promove a reutilização, o reparo e a reciclagem, que se traduz em uma economia de energia considerável frente a indústria extrativa (evitamos produzir novos materiais), um aproveitamento máximo dos recursos naturais escassos disponíveis e a diminuição do desmatamento.

Assim acredita Sara Fernández, Especialista em Meio Ambiente da MAPFRE, que considera que as ameaças da mudança climática nos mostram que agora, mais do que nunca, precisamos avançar firmemente em direção a este modelo verde e sustentável, “com o qual as empresas não apenas melhoram seus resultados, diminuem custos e reduzem o impacto ambiental, mas também com o qual é possível gerar até 160.000 empregos na Espanha antes de 2030”. Essa indicação é feita com base no relatório Economia Circular em PMEs na Espanha, apresentado recentemente pela Câmara de Comércio da Espanha e pela MAPFRE, que analisa a situação da Espanha em 2019 e no âmbito da União Europeia, e que explica o desempenho das PMEs através de uma pesquisa a 400 entidades de todos os setores.

A pegada de carbono é obtida multiplicando os dados das atividades (quantidade) por fatores de emissão

espera-se 2.59 trilhões de toneladas de resíduos até 2030

O estudo, o primeiro realizado sobre este assunto, aponta que a Espanha reprova em termos de gestão de resíduos, ou seja, em recuperação e reciclagem de resíduos, o que a leva a ocupar as últimas posições na União Europeia. Apesar disso, o estudo mostra que as pequenas e médias empresas estão avançando progressivamente na promoção deste modelo e que é cada vez maior o número de empresas que adotam medidas para reduzir a geração de resíduos (94,4%), vender ou ceder seus resíduos para que outras empresas os aproveitem (56%), além de separar uma parte ou todos os resíduos que geram, especialmente papel e plásticos, e até recorrer a gestores privados para se desfazer de resíduos mais contaminantes, como sucata e óleo.

Com a economia circular é possível economizar energia, aproveitar os recursos naturais disponíveis e diminuir o desmatamento

As pequenas e médias empresas estão avançando progressivamente na promoção deste modelo, com o qual podem ser gerados até 160.000 postos de trabalho antes de 2030

“É importante consumir de forma responsável, adquirir produtos de maior qualidade, optar por produtos de segunda mão e consertar mais”.

As PMEs também são caracterizadas, cada vez mais, por usar matérias-primas secundárias ou recicladas em seus processos produtivos (60%), principalmente papel e papelão (71,3%); e se comprometem mais a reduzir o consumo de recursos (80%), especialmente eletricidade e com o objetivo principal de economizar. Entre as áreas de melhoria, o estudo destaca o fato de que as empresas deste tamanho permanecem sem adotar projetos ecológicos em seus produtos (21,1%), um ponto essencial para aumentar a taxa de reciclagem; não eliminam a utilização de plásticos de um só uso (16.2%) como seria desejável; e não acreditam que devem tomar medidas para recuperar e reutilizar a água (88%), exceto as do setor industrial.

Evitar que cheguem ao aterro

Com a economia circular, quase tudo é aproveitado, mas para isso ocorrer, é preciso passar por uma mudança cultural, algo que ainda não ocorreu. Sara Fernández acredita que “os cidadãos devem estar mais conscientes do impacto que significa não reduzir e reciclar, e para isso é importante que eles aprendam a selecionar bem os resíduos e aproveitá-los ao máximo para dar-lhes uma segunda ou terceira vida e evitar que acabem em um aterro. Essa é uma das maneiras de contribuir para a sobrevivência do planeta”, afirma.

Para serem cidadãos mais circulares, a especialista em meio ambiente também confia na importância do consumo responsável, “algo que, sem dúvida, a pandemia favoreceu de alguma forma, nos tornando mais conscientes de que realmente não precisamos de metade das coisas que compramos. Eu também acredito que devemos adquirir produtos de maior qualidade, que geralmente duram mais tempo, optar pelo mercado de segunda mão, algo que os mais jovens já internalizaram completamente. Além disso, é importante consertar mais, separar bem os resíduos, usar pontos mais limpos, medir o consumo de energia e água em casa, evitar a contaminação da água e do ar, e até mesmo a acústica, e, é claro, optar por fontes de energia renovável”.

CO2 Calcular sua pegada de carbono

Graças à colaboração da Câmara de Comércio da Espanha e da MAPFRE, as PMEs poderão receber assessoramento, treinamento, apoio tecnológico e informações com o objetivo de melhorar sua competitividade e aumentar sua contribuição para o desenvolvimento sustentável. Também poderão calcular sua pegada de carbono através de uma ferramenta específica que lhes permitirá avaliar sua eficiência energética e grau de implementação da economia circular em sua organização.

Hotelaria, os mais comprometidos

A hotelaria é claramente o setor em que as empresas tomam mais iniciativas para evitar a produção de resíduos e promover a reciclagem, bem como a mais ativa na hora de capacitar e envolver seus funcionários, além de exigir a seus fornecedores certificados ambientais. Quase metade das empresas deste setor realizam ações específicas para separar o lixo orgânico dos demais, uma ação que evita que se decomponham no meio ambiente e contaminem. Bares e restaurantes também demonstram maior compromisso quando se trata de eliminar os plásticos de uso único (33%), os que mais apostam em utilizar sistemas de devolução e retorno (20%), e aqueles que mais tomaram iniciativas para promover a eficiência energética.

MAPFRE, Resíduo ZERO em 2021

A MAPFRE visa ser uma empresa referência em Economia Circular, um compromisso incluído em sua estratégia de sustentabilidade. Para isso, aderiu recentemente ao Pacto por uma Economia Circular, uma iniciativa que estabelece nove desafios para promover a economia de energia e reduzir o impacto ambiental da empresa. Também se comprometeu em minimizar a geração de resíduos (papel, plástico, papelão e equipamentos eletrônicos, entre outros) em todo o grupo e obter em 2021 a certificação Resíduo Zero no complexo de Majadahonda (Madrid). Nesta linha, destaca o projeto MAPFRE Sem Plásticos, do qual participaram 80% dos funcionários da Espanha e de Portugal em 2019, e que conseguiu evitar o consumo de um milhão e meio de garrafas de plástico e dois milhões de copos descartáveis.

A MAPFRE se propôs a minimizar a geração de resíduos em todo o Grupo e conseguir a certificação Resíduo Zero em sua sede, em Madrid. A multinacional quer ser uma referência em economia circular.
Share This